Poema de Dagnon Odilon da Silva (educador da Campanha Nacional da CPT de comabte ao Trabalho Escravo, em Barra do Garças – MT e agente da Comissão Pastoral da Terra – CPT), que participou do Encontro Unitário.

Brasília, 23 de agosto de 2012.

Pelos caminhos de Brasília,
Vi tantos heróis e muitos rostos,
Pessoas gritando igual loucos,
Procurando aquele sonho,
aquela Utopia,
Vi que, realmente, o povo, organizado,
É uma família.

Pelos caminhos de Brasília
em vários momentos
Vi o grito de todos os movimentos,
E, como se não fossem reais,
Vi policiais que queriam explodir suas granadas e voar,
Estar do lado de cá,
Do outro lado,
Do lado do povo,

Pelos caminhos de Brasília,
No meio dos protestantes,
Vendo os rasantes
Dos carros que passavam sozinhos,
Uma pessoa na direção,
Sem rumo,
Procurando e vendo, naquela marcha,
Outro caminho, outra direção,

Pelos caminhos de Brasília,
Vi corpos em movimento,
Universo em expansão,
Olhos brilhantes,
Esperando a revolução…

Pelos caminhos de Brasília,
Vi e ouvi histórias
Tristes e vencedoras
De ressurreição, de luta, de paz
que jamais perecerão
Histórias a serem contadas
por gerações futuras,
De heróis sem armaduras,
gente de história sem cor
que viram avançar o amor…

Pelos caminhos de Brasília,
Vi pessoas, como indigentes
de não ser consideradas como gente,
Mas que tanto amor possuem no coração
e revolução em sua mente,
Pessoas que vivem a verdade e a fazem acontecer
Pessoas por quem vale a pena morrer,
Pessoas por quem vale a pena viver…

Pelos caminhos de Brasília,
como nos caminhos da América,
Vi, no amanhecer,
O povo renascer,
A luta acontecer,
E a certeza de que nossa causa vai prevalecer
(impossível de perder!)

E, enfim, ver com ansiedade realizar nossos sonhos de LIBERDADE…

Fonte: Blog Encontro Unitário

No related posts.